Pesquisar
Close this search box.

Presidente do STM diz que comunismo acabou e que esquerda quer “um Brasil melhor”

Foto - Ricardo Stuckert

O presidente do Superior Tribunal Militar (STM), ministro Francisco Joseli Parente Camelo, disse que o comunismo acabou com a queda do muro de Berlim, na Alemanha, em 1989, e que a esquerda quer “um Brasil melhor, mais solidário” e “mais próspero”.

Camelo ainda disse que “jamais viu o presidente Lula (PT) como um comunista” e condenou a associação que se faz entre esquerda e comunismo. A declaração foi dada durante entrevista concedida à BandNews TV, nesta quarta-feira (27).

Na entrevista, Camelo falou sobre o papel do STM, sobre a participação de militares nos atos do 8 de janeiro e sobre o fato de estes militares estarem sendo julgados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e não pelo STM.

Apesar de declarar que julgar crimes cometidos por militares é função do STM, Camelo assegurou que o STF faz um julgamento correto dos militares acusados de envolvimento no 8/1.


Ao fim da entrevista, perguntaram a Camelo sobre o medo dos manifestantes do 8/1 de uma tomada de Poder por comunistas. Ao responder, o ministro negou a existência do comunismo e defendeu a esquerda.

“Nós vivemos outros tempos. O mundo mudou. Não há mais a divisão… o muro de Berlim já caiu há muito tempo. E, não existe no Brasil essa ideia de que existe o comunismo. O comunismo acabou. Para mim, não existe o comunismo. Outra coisa: o presidente Lula é um sindicalista. Não vejo o presidente Lula, jamais o vi como um comunista. Por que as pessoas têm uma mania de pensar que ser de esquerda é ser comunista? Isso não existe. Ser de esquerda é realmente… ela (a esquerda) quer um Brasil melhor, quer um Brasil mais solidário, um Brasil mais próspero, um Brasil que pense no mais pobre. É tudo isso o que a esquerda pensa. Então, ser se esquerda não é ser comunista”, afirmou o ministro.

Imediatamente, o entrevistador perguntou ao ministro se ele é de esquerda ou de direita. Com ar de riso, o ministro disse que militares não têm partido, e afirmou “querer o melhor para o Brasil”.

“Nós (militares) queremos que a sociedade brasileira viva feliz como sempre foi, e ultimamente vivemos nesse ambiente de ódio. Queremos que a pacificação volte ao nosso país”, concluiu Camelo.

Antes de dar a sua versão sobre o comunismo, o ministro disse ter tido o “privilégio” de pilotar aeronaves para Lula e para a ex-presidente Dilma Rousseff.

Camelo também foi secretário de Coordenação e Acompanhamento de Assuntos Militares do Planalto, cargo que exerceu no Gabinete de Segurança Institucional (GSI), onde atuou de 2003 a 2015.

Source link

compartilhe
Facebook
Twitter
LinkedIn
Reddit

2 Responses

  1. ANOTE SEU EMAIL SEU ZAP SEU SITE
    NA SUA CONTA YOUTUBE E NO CAMPI DE COMENTARIO DO VIDEO.
    TIVE DIFICULDADE EM ACHAR SEU SITE.
    BOM JORNALISTA PRECISA FACILITAR CONTATO COM O LEITOR.
    FAÇA UM VIDEO SOBRE O MOTIVO DA GUERRA DA OTAN E QUEM GANHA COM ISTO.

    1. Bom dia!
      Tatá, O endereço do site permanece fixo nas descrições dos vídeos no YouTube. Para facilitar, recomendo inscrever-se no site, assim você receberá as atualizações diárias em seu e-mail

      Equipe Paulo Figueiredo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *