Pesquisar
Close this search box.

Taxista é multado por texto bíblico em seu veículo na Alemanha; entenda

Foto: Reprodução/RD

A cidade alemã de Essen multou o taxista Jalil Mashali em 88,50 euros (aproximadamente R$ 470,00) por ter um texto bíblico em seu veículo. Segundo sua defesa, a multa acabou sendo menor do que os 1.000 euros (aproximadamente R$ 5.300,00) originalmente pedidos pela prefeitura.

A situação envolvendo Mashali foi confirmada por Sofia Hoerder, porta-voz da organização de direitos humanos ADF International, quando questionada pelo Reformatorisch Dagblad na terça-feira (20).

Em outubro de 2023, o taxista recebeu uma notificação da prefeitura de Essen, que o ameaçava com uma multa caso não removesse do seu táxi um adesivo com a frase “Jesus – Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida”.

De acordo com a prefeitura, essa mensagem era considerada publicidade religiosa e inadequada, já que os táxis desempenham uma função pública.

Tanto Mashali quanto a ADF International argumentam que a proibição viola direitos humanos fundamentais, como a liberdade de expressão e a liberdade religiosa, incluindo o direito de compartilhar crenças profundamente enraizadas com outros indivíduos.

Com base em seus direitos, o cristão tem se recusado até agora a remover o texto do seu táxi. Mashali também recorreu da multa com o apoio da organização de direitos humanos. Enquanto aguarda uma decisão, o taxista não fará o pagamento, afirma sua advogada.

Se o órgão administrativo não retirar a multa, o caso poderá ser levado ao tribunal.

Cirurgia e família

Jalil Mashali, um iraniano muçulmano de 51 anos, mudou-se para a Alemanha em 2001 para realizar uma cirurgia. Ele conta que foi lá que se converteu ao cristianismo.

“Nasci em 1972 na metrópole iraniana de Ahvaz e cresci numa família de 10 filhos”, conta Mashali. “Meu pai morreu em 1980, durante a guerra Iraque-Irã. Eu tinha oito anos na época. Como nossa família havia perdido o ganha-pão, tive que começar a vender cigarros, água e falafel nas ruas.”

Ele diz que aos 13 anos foi atropelado por um ônibus e passou por 17 cirurgias na perna. Apesar desse sério acidente, ele retomou sua vida nos anos seguintes.

Casado e com dois filhos, ele ganha a vida como funcionário público na prefeitura de Ahvaz.

Paraíso

Mashali contou que o Islã foi muito significativo para ele durante esse período. “Eu era o mais religioso de toda a minha família e rezava muito. Odiava judeus e cristãos e preferia matá-los. Assim, pensei que entraria no paraíso.”

Em 2001, Mashali foi para Essen em busca de tratamento médico. “Continuei tendo muitos problemas para andar e muitas dores. Seguindo o conselho de um primo, fui para a Alemanha. Onde possivelmente, eles poderiam fazer algo por mim.”

Batalha

O taxista relata que no hospital passou por momentos difíceis. “Depois da cirurgia, a dor foi tão forte que a morfina quase não ajudou. Eu queria dirigir minha cadeira de rodas até o quarto andar do hospital e pular.”

Na época, ele recebeu a visita da amiga de sua ex-mulher.

“Ela havia se tornado cristã e perguntou se poderia orar comigo. Eu não queria, pois era um muçulmano fiel. Mesmo assim, permiti. Ela perguntou se Deus tiraria meu sofrimento e me chamou de filho dele. Eu não entendi nada disso. No Islã, as pessoas são apenas servas de Alá.”

Após a oração, Mashali viu um milagre acontecer.

“Minha dor passou e, para minha surpresa, também não voltou. Ela disse que Jesus tinha feito isso e me deu uma Bíblia em persa, a língua que aprendi no Irã”.

Alcorão

Mashali diz que foi a partir dali que começou um longo período de luta interior.

“Li muitas vezes a Bíblia, mas também li o Alcorão repetidas vezes. Por fim, cheguei à conclusão de quão diferentes Maomé e Jesus eram. Deus deixou claro em meu coração que eu não poderia mais negá-lo.”

O taxista contou que a decisão de se tornar cristão mudou radicalmente a sua vida.

“Não preciso mais me esforçar ao máximo para encontrar o favor de Alá. Depois da cirurgia, continuei morando na Alemanha. Quero usar minha vida aqui para mostrar aos outros o caminho até Ele.”

Com olhar melancólico, o ex-muçulmano olha para fora. “Há tantas pessoas que ainda não O conhecem.”

Agressivo

Embora a situação seja significativamente melhor na Alemanha em comparação com o Irã, as coisas também não estão fáceis para Mashali. Ao levantar um pouco a perna da calça, uma prótese fica visível, dificultando suas atividades diárias, como o trabalho e subir escadas.

Para sobreviver, Mashali precisa trabalhar de 10 a 12 horas por dia. E explica: “É difícil, mas Deus me sustenta todos os dias. Eu não mereço isso. Às vezes, não sou fiel em minhas orações. No entanto, Ele me dá o que preciso. Isso é graça.”

Ele faz questão de compartilhar sua fé cristã com qualquer pessoa que entre em seu táxi. No entanto, ele admite que precisa ser cauteloso ao lidar com passageiros muçulmanos, pois alguns deles reagem com agressividade. Por isso, às vezes, ele opta por ficar em silêncio. Ele cita as palavras de Zacarias: “Não por força, nem por poder, mas pelo meu Espírito”.

Mensagem proibida

Atualmente Mashali não tem muitos passageiros. “Normalmente é mais movimentado”, diz ele enquanto dirige seu carro pelas ruas movimentadas de Essen. Ele mal terminou de falar quando uma mensagem aparece no painel.

“Um cliente”, grita Mashali, que para seu carro e um homem de cerca de 70 anos entra. Mal se senta quando o taxista começa a dizer.

“Arrisco uma multa de até 10 mil euros porque tenho textos bíblicos no meu táxi. O governo diz que é publicidade religiosa, e isso é proibido”.

O homem responde: “Tudo o que a cidade disser vai ficar bem, não é?”

Mashali balança a cabeça. “Eu não concordo com isso.” O idoso cantarola algo ininteligível. Depois, de forma mais clara: “É daqui que tenho que sair”. Ele coloca uma nota de dez nas mãos do taxista e depois dispara por uma rua lateral.

“É incompreensível para mim que eu arrisque uma multa tão alta na Alemanha por causa de um texto bíblico”, diz Mashali. “Que isto tenha acontecido comigo no Irã não é surpreendente. Mas na Alemanha, um país onde a liberdade é fundamental? Para mim, o versículo bíblico é uma forma de testemunhar.”

Grafite na igreja fechada

Segundo a cidade de Essen, a acusação contra Mashali é fundamentada em uma lei de 1998. Naquela época, a Justiça Federal decidiu que os táxis desempenham uma função pública crucial. Portanto, textos religiosos são considerados inadequados para exibição nesses veículos.

De acordo com Mashali, o problema é mais profundo. “A Alemanha perdeu as raízes cristãs. Vê aquela igreja ali?”, aponta para um prédio pintado com pichações. “Os cultos da igreja costumavam ser realizados lá, mas agora está vazio. Isso porque as pessoas não precisam mais de Deus”.

No processo, Mashali conta com a assistência de um advogado austríaco, que assumiu o caso de forma gratuita. A data para o veredicto ainda não foi determinada. Se for decidido que o texto no táxi é proibido, Mashali afirma: “Então vou retirá-lo. Deus também nos ordena a sermos obedientes ao governo. Até lá, espero que seja uma bênção.”

Guia Me

Source link

compartilhe
Facebook
Twitter
LinkedIn
Reddit

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *