Pesquisar
Close this search box.

Aumenta percepção de que condenação de Bolsonaro no TSE foi injusta

Foto - Reprodução/CNJ

Por decisão da Corte eleitoral, o ex-presidente da República está inelegível por 8 anos

Levantamento divulgado pelo instituto Paraná Pesquisas nesta quinta-feira, 28, mostra que cresceu o entendimento de que a condenação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra o ex-presidente Jair Bolsonaro foi injusta. Por decisão da Corte, ele está inelegível por oito anos.

Conforme os dados do levantamento, 48,9% dos entrevistados afirmaram que a decisão de tornar Bolsonaro inelegível foi injusta. Para 44,6%, a decisão por parte do TSE contra o ex-presidente da República — e atual presidente de honra do Partido Liberal (PL) — foi justa. Não sabem ou não responderam formam 6,5%.

Os números divulgados nesta semana pelo Paraná Pesquisas diferem dos apresentados há sete meses. Em agosto de 2023, a posição entre justa e injusta estava invertida. Na ocasião, 48,5% concordavam com o parecer da Justiça Eleitoral, enquanto 45,2% discordavam. Não sabem ou não responderam representavam 6,3% do total de entrevistados.

Equipe do Paraná Pesquisas perguntou aos brasileiros o que eles pensam da decisão do TSE contra Bolsonaro | Foto: Divulgação/Paraná Pesquisas

No mesmo levantamento divulgado nesta quinta-feira, o Paraná Pesquisas apresentou eventuais cenários para disputa da Presidência da República, em 2026. No confronto com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Bolsonaro aparece numericamente à frente: 37,1% contra 35,3%.

Sobre a Pesquisa

Para a realização do levantamento, o Paraná Pesquisas entrevistou 2.024 eleitores em 26 Estados e no Distrito Federal (ou seja, de todas as unidades da Federação), que estavam espalhados em 162 municípios brasileiros. De acordo com o instituto, o grau de confiança da pesquisa é de 95%. Além disso, a margem estimada de erro é de 2,2 pontos porcentuais — para mais ou para menos — para os resultados gerais.

A condenação de Bolsonaro no TSE

O TSE condenou Bolsonaro à inelegibilidade por oito anos no fim de junho do ano passado. Por maioria de votos — 5 a 2 —, a Corte eleitoral entendeu, conforme o relatório do ministro Benedito Gonçalves, que o “ex-presidente cometeu abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação” em reunião realizada com embaixadores, em julho de 2022.

No encontro, que ocorreu no Palácio da Alvorada e contou com transmissão da TV Brasil, o então presidente da República compartilhou com diplomatas estrangeiros alguns de seus anseios em relação ao processo eleitoral brasileiro. Ele falou, por exemplo, da insegurança com a funcionalidade da urnas eletrônicas e do formato da apuração de votos.

Source link

compartilhe
Facebook
Twitter
LinkedIn
Reddit

3 respostas

  1. Eu continuo achando que todo o processo eleitoral desfavoreceu Bolsonaro. Foram erros como não transmitir sua campanha em algumas rádios, não permitir a impressao da confirmação do voto, não permitir que se falassem verdades sobre o candidato oposto, não permitir a verificação das máquinas de votação, etc. Para coroar a situação, agora ele está impedido de se candidatar. Injustiça total.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *