Pesquisar
Close this search box.

Revista norte-americana Time publica que Moraes chegou ao poder após morte de Teori Zavascki

Foto - Beto Barata/PR

Revista norte-americana Time publica que Moraes chegou ao poder após morte de Teori Zavascki

Segundo a revista Time, a ascensão controversa do juiz brasileiro Alexandre de Moraes ao poder ocorreu após circunstâncias questionáveis. Teori Zavascki, seu antecessor, morreu em um enigmático acidente de avião após dar autorização para investigações de corrupção contra muitos políticos em 2017, dentro do contexto da “Operação Lava Jato”. O avião de pequeno porte que transportava Zavascki caiu durante um voo de férias para o Rio de Janeiro. De acordo com a Time, a investigação englobou quase todos os políticos do Brasil, incluindo o presidente da época, Michel Temer, mencionado em acordos de delação premiada.

O “The Guardian” informou que “Zavascki havia acabado de retornar de férias e estava prestes a decidir sobre a admissibilidade dos depoimentos de delação de 77 executivos da Odebrecht, que provavelmente implicariam muitas das figuras mais poderosas do Brasil e de seus vizinhos latino-americanos”.

Investigações adicionais a respeito do acidente não identificaram problemas mecânicos na aeronave. Conforme o ‘The Guardian’ e outras fontes, “as gravações de voo sugeriram que não houve falha nos equipamentos” e não havia nenhum sinal nas comunicações com o aviador de que este estivesse enfrentando problemas.

Surge então Alexandre de Moraes, indicado por Temer, que era presidente naquele momento, para substituir Zavascki, enquanto desempenhava a função de Ministro da Justiça e Segurança Pública no governo de Temer.

Antes de ser nomeado em 2016, de Moraes estava a serviço do Presidente Temer, que alegadamente foi alvo de um hacker que tentava chantageá-lo com informações e fotos comprometedoras adquiridas do telefone roubado da esposa de Temer. A pedido de Temer, de Moraes agiu prontamente e capturou o suposto hacker. Portanto, a publicação diz que é possível afirmar que Temer tinha uma espécie de ‘dívida’ com Moraes ao nomeá-lo para liderar o judiciário.

Source link

compartilhe
Facebook
Twitter
LinkedIn
Reddit

5 respostas

  1. É comum político brasileiro morrer em acidentes inexplicáveis. A verdade contada é sempre uma versão dos fatos. A ascensão desse ministro foi rápida e ele sempre esteve próximo do Alckmin. Que hoje é vice presidente. Fico contente que um jornal americano venha abordar um assunto tão antigo.

  2. A aeronave é reconhecida como a melhor do seu segmento e operada pelo proprietário que era dono do resort e do experiente comando, e todos faleceram nesta tragédia. A expertise do profissional a qualidade do avião frente os imbroglios políticos/judiciários e corrupção, que assombram o Brasil a décadas, fora outro acidente 3 anos antes que ceifou um candidato forte ao PT, e o assassinato de Celso Daniel do PT que a família se encontra exilada fora do País, mostram a dúvida e o pé atrás do Brasileiro comum com esse povo, com as pessoas que comandam as instituições, hoje em dia, inclusive até as Forças Armadas. Até utilizaram-se do assassinato de uma correligionária do RJ, o Caso Marieli, para acusar o Ex-presidente por quase 6 anos de ser o mandante, e o que se descobre? Que na realidade os verdadeiros mandantes são companheiros políticos do atual presidente, e a imprensa e todo o governo “do amor” silente está. Um silêncio de Filme de TERROR.

  3. Todos sabem com quem está os arquivos do telefone de Marcela Temer e como eles foram usados pelo cabeça de piroka pra virar Juiz.
    É isso. De advogado do PCC a Juiz do STF.
    Só mesmo aqui.

  4. A Time, com esse artigo, abre , por fim,
    a caixa de Pandora. Contudo não há em nossos representantes, nem tão pouco nas instituições legitimamente constituídas , o animus e a coragem de investigar, impondo a todos nós a obrigação de aceitar a conclusão de uma investigação notadamente tendenciosa q perfaz exatamente o caminho da obscuridade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *